No banner in farm
 
INÍCIO| ARTIGOS| EVENTOS | CURSOS | NEGÓCIOS| COMUNIDADES | TÉCNICOS | PACIENTES | SHOPPING

Cadastre-se Editorial Mapa do Site Quem Somos

Submarino

 Cadastre-se
Seja um membro do RADIOLOGY.COM.BR e receba notícias, eventos e muito mais em seu e-mail.

Nome:

E-mail:

Residente em Radiologia?
Sim
Não


 Shopping
TC de Alta Resolução do Pulmão
Técnicas Radiológicas

Radiologia: Perguntas e Respostas: o Pequeno Livro Verde
Radiologia Odontológica

Ultra-Sonografia em Obstetrícia e Ginecologia
Compêndio de Radiologia

Ultra-Sonografia em Obstretrícia e Ginecologia
Segredos em Radiologia

Ressonância Magnética em Ortopedia e Medicina Esportiva
Fundamentos de Radiologia

Fundamentos de Radiologia de Squire
Fundamentos de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

CVarredura em Ultra-Sonografia: Princípios e Protocolos
Paul & Juhl: Interpretação Radiológica


 Fale Conosco

Informações Gerais

Comercial

 
Livre docência em Radioterapia pela FMUSP
 

“Variação do volume tumoral durante a radioterapia de pacientes com câncer de colo uterino: aplicações em Braquiterapia ginecológica guiada por imagem, é o tema de trabalho pioneiro, realizado com o apoio da equipe de RM da pelve, do InRad e do ICESP, e apresentado pela Dra. Heloisa de Andrade Carvalho, em concurso realizado na Faculdade de Medicina da USP, para obtenção do título de livre docente, no Departamento de Radiologia e Oncologia – Disciplina de Radioterapia.

A Dra. Heloisa Carvalho destaca que “o tratamento padrão para o câncer de colo uterino localmente avançado é a radioterapia externa, braquiterapia e quimioterapia concomitante baseada em cisplatina. Existem evidências de que, além do estadiamento, o volume tumoral é importante fator prognóstico para o câncer do colo uterino, assim como as características de sua regressão durante ou após o tratamento.

Além disso, a sobrevida depende, entre outros fatores, do controle tumoral local, que está diretamente relacionado à dose final administrada ao tumor. Frente à disponibilidade de técnicas de radioterapia mais apuradas, inclusive com a radioterapia “adaptativa”, onde o planejamento inicial pode ser modificado de acordo com o comportamento do tumor no decorrer do tratamento, os estudos sobre as variações volumétricas da doença agregam informações e, portanto, são de especial interesse.”

Informa a autora, em suas conclusões, que o uso da Braquiterapia trouxe resultados animadores, pois, “os volume tumorais apresentaram regressão significante durante o tratamento, onde cerca de 85%, independente da metodologia de medida utilizada, se beneficiaram.

Essa redução demonstrou-se mais acentuada entre o início da radioterapia e a primeira fração de braquiterapia. A correlação VE e VC foi melhor com a diminuição dos volumes. E, finaliza: “Braquiterapia ginecológica guiada por imagem mostrou-se factível, porém com necessidade de adaptações para a realidade de um hospital público brasileiro”.

A banca examinadora esteve constituída pelos seguintes professores: Carlos Alberto Buchpiguel; Luiz Paulo Kowalski, Benedito Mauro Rossi e Luis Carlos Teixeira.

InRad News OUT/NOV

 

© 2007 - Radiology.com.br