No banner in farm
 
INÍCIO| ARTIGOS| EVENTOS | CURSOS | NEGÓCIOS| COMUNIDADES | TÉCNICOS | PACIENTES | SHOPPING

Cadastre-se Editorial Mapa do Site Quem Somos

Submarino

 Cadastre-se
Seja um membro do RADIOLOGY.COM.BR e receba notícias, eventos e muito mais em seu e-mail.

Nome:

E-mail:

Residente em Radiologia?
Sim
Não


 Shopping
TC de Alta Resolução do Pulmão
Técnicas Radiológicas

Radiologia: Perguntas e Respostas: o Pequeno Livro Verde
Radiologia Odontológica

Ultra-Sonografia em Obstetrícia e Ginecologia
Compêndio de Radiologia

Ultra-Sonografia em Obstretrícia e Ginecologia
Segredos em Radiologia

Ressonância Magnética em Ortopedia e Medicina Esportiva
Fundamentos de Radiologia

Fundamentos de Radiologia de Squire
Fundamentos de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

CVarredura em Ultra-Sonografia: Princípios e Protocolos
Paul & Juhl: Interpretação Radiológica


 Fale Conosco

Informações Gerais

Comercial

 
Governo afirma adotar política de incentivo à produção de equipamento de alta complexidade no país
 

A grande carência de equipamentos de alta tecnologia ainda existente na área pública de saúde é apontada por empresas e associações como um fator que, ao lado da ampliação da saúde privada, pode incentivar o crescimento da indústria de aparelhos hospitalares e odontológicos.

Para isso, porém, é preciso mais investimento por parte do setor público, diz o vice-presidente da Abimo (associação de indústrias do setor), Paulo Fraccaro.

Segundo ele embora esse tipo de indústria tenha um desempenho positivo, o crescimento está respaldado apenas no acesso da população à saúde básica.“Não [ao acesso] a uma saúde preventiva, onde os tratamentos são mais expressivos e há a utilização de recursos mais importantes.”Por isso, disse Fraccaro, é comum observar o sucateamento da área hospitalar pública no país.

DESEQUILÍBRIO

Dados do Cadastro Nacional dos Estabelecimentos de Saúde no Brasil, do Datasus, revelam a diferença que ainda existe entre as regiões.Enquanto em São Paulo, por exemplo, há uma centena de aparelhos de ressonância magnética disponíveis para o SUS; em Estados como Acre e Amapá, apenas um.

O secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde de, Carlos Gadelha, diz que o governo tem investido na modernização e adotado uma política de incentivo à produção nacional de equipamentos de alta complexidade. Um dos exemplos, diz ele, é um pacote de R$ 505 milhões na compra de equipamentos para o tratamento do câncer, principalmente de radioterapia, portanto não vinculado ao diagnóstico propriamente dito.

Uma das idéias do governo é atrelar essa compra à obrigatoriedade de fabricação no Brasil das máquinas, hoje importadas. “Em reunião com o ministério, as empresas já toparam esse modelo de investir na produção no Brasil”, afirmou Gadelha. Outro incentivo ao produto nacional virá das margens de preferência, que já foram adotadas para a indústria farmacêutica e que, até julho, devem incluir o setor de equipamentos hospitalares.

Com estas margens, produtos feitos no Brasil terão preferência em compras públicas podendo ser adquiridos com preços ate 25% superiores em relação aos importados.

(Leandro Martins para a Folha de São Paulo)

 

© 2007 - Radiology.com.br