No banner in farm
 
INÍCIO| ARTIGOS| EVENTOS | CURSOS | NEGÓCIOS| COMUNIDADES | TÉCNICOS | PACIENTES | SHOPPING

Cadastre-se Editorial Mapa do Site Quem Somos

Submarino

 Cadastre-se
Seja um membro do RADIOLOGY.COM.BR e receba notícias, eventos e muito mais em seu e-mail.

Nome:

E-mail:

Residente em Radiologia?
Sim
Não


 Shopping
TC de Alta Resolução do Pulmão
Técnicas Radiológicas

Radiologia: Perguntas e Respostas: o Pequeno Livro Verde
Radiologia Odontológica

Ultra-Sonografia em Obstetrícia e Ginecologia
Compêndio de Radiologia

Ultra-Sonografia em Obstretrícia e Ginecologia
Segredos em Radiologia

Ressonância Magnética em Ortopedia e Medicina Esportiva
Fundamentos de Radiologia

Fundamentos de Radiologia de Squire
Fundamentos de Radiologia e Diagnóstico por Imagem

CVarredura em Ultra-Sonografia: Princípios e Protocolos
Paul & Juhl: Interpretação Radiológica


 Fale Conosco

Informações Gerais

Comercial

 
Acesso à saúde privada dá fôlego à indústria hospitalar
 

Na contramão da indústria em geral, o setor healthcare, no qual estão incluídos fabricantes de equipamentos de diagnóstico por imagem deve avançar 7,8% até abril de 2013, segundo avaliação de especialistas do setor e dos próprios fabricantes.

Matéria publicada recentemente na Folha de São Paulo destaca que em 3 anos, 28 fábricas de equipamentos de diagnóstico, como tomógrafos, devem ser inaugurados no país.Um dos fatores que justificam este crescimento é o aumento do acesso à saúde privada por expressivas parcelas da população que antes não tinham esse tipo de atendimento Este fenômeno , sobretudo por meio de aumento de beneficiários de convênios médicos, impulsionou a indústria de equipamentos hospitalares e odontológicos no país.Um estudo da Abimo (associação de indústrias de setor) estima que, até 2015, 28 fábricas devem entrar em funcionamento no Brasil. Só no caso de duas multinacionais – A GE Healthcare e a Siemens- os investimentos chegam a R$ 152 milhões.

O setor está na contra mão da indústria em geral.Segundo o levantamento do IBGE, o segmento industrial em geral teve queda de 2,8% nos quatro meses do ano, até o mesmo período de 2011.Dos 27 setores pesquisados, só 12 tiveram crescimento, e a indústria médico-hospitalar lidera, com 7,8%.No ano passado, segundo a Abimo, o crescimento do setor foi de 17%, com um faturamento de 9,87% bilhões.

Há consenso entre as entidades do setor e os fabricantes de que o consumo maior, impulsionado principalmente pela nova classe C, é o que tem gerado o bom momento.
“Depois da casa própria, o cidadão quer ter saúde”, diz Carlos Alberto Goulart, presidente-executivo da Abimed, outra associação do setor.

O número de beneficiários de planos médicos e odontológicos no Brasil cresceu 50% em sete anos e atingiu 47,6 milhões em 2011. De olho em todo esse mercado, multinacionais têm investidos em unidades no país, principalmente na área de medicina diagnóstica.

A Siemens vai aplicar ainda este ano R$ 50 milhões numa fábrica de equipamentos como ressonância e tomografia em Joinville (SC).“Já tínhamos a logística no Brasil, os serviços de assistência, agora estamos trazendo a produção”, disse o diretor da Siemens Healthcare no Brasil, Armando Lopes.

Em Contagem (MG), a GE iniciou no ano passado a produção local de equipamentos de diagnósticos. Incluindo um tomográfo mais elaborado, usado na detecção precoce de doenças como câncer.O investimento previsto é de US$50 milhões (R$120 milhões) em até dez anos.

DEMANDA CRESCENTE

As duas multinacionais dizem que, apesar da freada da economia, há margem para crescer até dois dígitos. “Há clientes no Nordeste trabalhando sábado e domingo para atender a demanda de exames”, disse Rogério Patrus, presidente da GE Healthcare na América Latina


Ao nacionalizar a produção, as multinacionais miram a venda com incentivos. O BNDES, por exemplo, tem uma linha com juros reduzidos, prazo longo e carência para a compra de maquinário feito no Brasil que deve atrair o profissionais brasileiros.

 

© 2007 - Radiology.com.br